terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Consultório Renovado

Estamos da casa nova ou melhor cara nova !!! O Espaço Família e Humanização passou por uma reforma para melhor receber seus alunos e clientes!

Aos clientes e alunos, sejam muito bem vindos em nosso espaço!






Entrevista TV Assembleia: Adaptação escolar e Volta às aulas

No dia 16/02/16, participei do Programa Panorama na TV Assembleia falando sobre:

                                   "Adaptação Escolar e Volta às Aulas".


Acredito que essa entrevista possa colaborar com aquelas famílias que estão passando por esse momento.

Segue o link da entrevista.  Confira!


https://www.almg.gov.br/acompanhe/tv_assembleia/videos/index.html?idVideo=1013445&cat=89

https://www.almg.gov.br/acompanhe/tv_assembleia/videos/index.html?idVideo=1013442&cat=89


Resultado de imagem para imagem voltas as aulas


 

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Formação em Terapia Familiar Sistêmica - 2016


Coordenação: Fernanda Seabra – CRP 04/18317
·         Psicóloga com formação em Terapia Familiar Sistêmica
·         Coordenadora do NASS- Núcleo de atendimento social sistêmico
·         Coordenadora de grupos de supervisão em terapia sistêmica
·         Coordenadora de cursos na área de educação

Proposta do Curso:
·         Preparar profissionais para atuarem em Terapia Sistêmica;
·         Promover o desenvolvimento do pensamento sistêmico;
·         Possibilitar a compreensão do padrão de funcionamento e história familiar tanto do terapeuta quanto do seu cliente;
·         Refletir sobre o trabalho / papel do terapeuta sistêmico;
·         Detectar disfunções familiares e criar recursos para a solução de problemas.

Público Alvo: psicólogos, assistentes sociais, psicopedagogos, médicos, enfermeiros e profissionais da área de saúde. Poderão realizar o curso, profissionais que trabalham com famílias, estudantes das áreas citadas e pessoas interessadas pelo pensamento sistêmico.

Duração: 
·         O curso é ministrado quinzenalmente com duração de duas horas cada aula.
·         Duração de 18 meses
·         O programa é flexível, podendo adiantar temas, fazer trocas, sempre de acordo com o andamento da turma.
·         Ao final do curso será oferecido o certificado para o aluno que tiver no mínimo 80% de frequência e aproveitamento das atividades propostas (resenhas de livros, filmes e tarefas).
·         As aulas que os alunos não puderem comparecer serão cobradas normalmente (são aulas dadas).
.

Investimento: taxa de matrícula – R$ 110,00 e mensalidades  no valor de R$260,00



Início:  01 de Agosto de 2016

Horário:  das 13:30 às 15:30h

                
Informações: Tel.: 8868-9455/ 2516-1648
                                 Rua: Ceará 195/302 Santa Efigênia
                                 e-mail: espacofamiliaehumanizacao@gmail.com
                               



    A matrícula só será efetivada após preenchimento da ficha de inscrição no site e confirmação de depósito da taxa de matrícula.





Programa do Curso de Formação em Terapia Familiar Sistêmica:



Pensamento sistêmico

·         Real x Ilusão
·         Polarização e despolarização
·         HCE x HCD – a comunicação de dois cérebros no trabalho clínico
·         Processo de humanização
·         Inconsciente – princípios da hipnoterapia Ericksoniana

Casais
·         Tipos de casais
·         Contratos, pactos e colusões na relação do casal.
·         Sexualidade - desenvolvimento psico sexual, disfunção sexual, desvios sexuais, homossexualismo, transtorno de gênero.


·         Famílias

               Hierarquia familiar                              
               Padrão de funcionamento                   
               Família funcional e disfuncional   
               A fabricação do membro sintomático                                                                                  
               Mitos – herança transgeracional         
               Segredo familiar                                
               Ciclos vitais                                                   
               Identidade de adulto
               FOT – família de origem do terapeuta
               Sobre atendimento de família e casais


   Terapia Familiar Sistêmica
•           A história da Terapia Sistêmica
•              Principais escolas
•              Entrevista
•              Ficha clínica
•              Planificação de atendimento
•              Hipóteses
•              Foco sistêmico
•              Contrato de terapia/vinculação
•              Pertinência
•              Tipos de intervenção
•              Resistência
•              Redefinição e reformulação.
•              Reformulação
•              O Terapeuta sistêmico
            Recursos sistêmicos para atendimento de famílias







Filhos: muito além de educá-los, é preciso adotá-los.

Dia desses peguei-me refletindo sobre as relações familiares no que diz respeito à interação entre seus membros. Elegi a palavra que me proporcionou alguns questionamentos, de forte significado e que me foi bastante instigadora - ADOÇÃO.


No nosso dicionário de língua portuguesa, essa palavra tem o seguinte significado: “Tomar por filho, escolher, seguir e perfilhar. Aceitação voluntária e legal de uma criança como filho, perfilhação”.
Aceitar um filho legalmente talvez seja a parte menos preocupante de uma adoção, quando comparada à adoção emocional, que é algo bem mais complexo.

 Quando um casal deseja formar uma família, começa a planejar como será a inserção de um novo membro no sistema familiar. Inicia-se a gestação emocional desse indivíduo, dando forma e lugar no imaginário para essa criança antes mesmo dela nascer. O casal passa a idealizar esse novo membro, imaginando como ela será, com quem irá se parecer, que nome receberá , sonhando sonhos para essa criança. Filhos precisam ser sonhados, precisam de um lugar no emocional de seus pais. E quando essa criança chega, ocorre a “prova de realidade”. O casal faz sua estreia na função de pais e busca comprovar se o bebê real corresponde àquele idealizado. Tem que lidar com suas impotências e limitações na relação com filho e vivenciar a realidade de alguém que chora, que faz cocô, que regurgita ou que pode até ter alguma deficiência. Tudo na vida tem dois lados e aqui também não seria diferente.

Uma pessoa pode nascer em uma família, possuir relação de consanguinidade e mesmo assim não se sentir adotada ou incluída como membro nessa família. Que situação angustiante essa: saber que está em uma família, mas não se sentir pertencente. O mesmo pode ocorrer com um indivíduo que não tem laço de sangue com sua própria família.

No caso de uma família que faz uma adoção judicial, isso tudo ainda é mais abrupto, pois a criança quando chega pega uma família de surpresa e que precisará se reorganizar rapidamente para incluir esse novo membro. Mas se a família acolhe, com amor, aquele que chega com suas características próprias e com suas histórias ,a relação se constrói e uma nova história passa a ser escrita na vida de todos. É um ato de aceitação do outro, independentemente de ter em sua origem o sangue e a natureza geracional dos pais que optaram por criar essa criança.

Se não integramos o lado bom e difícil da maternidade/paternidade, ficamos dissociados, vendo a vida por apenas um ponto de vista. Ou vai ser tudo muito belo, ou vai ser tudo muito difícil e pesado. Ao integrarmos, podemos ver os dois lados de forma mais equilibrada, aceitando que ambos existem e que se complementam. É preciso ter coerência se quisermos ser pais adotantes, respondendo por essa escolha mesmo que seja difícil.

Vemos, muitas vezes, pais que tentam exercer a paternidade, mas não se comprometendo com essa função. Querem o título de pais, mas não querem assumir o trabalho e as responsabilidades inerentes.

Se a expectativa for muito alta em torno desse filho, e o casal se deparar com uma realidade completamente diferente da idealizada, poderá sentir-se frustrado e impotente. Por outo lado, poderá utilizar-se de toda dificuldade como oportunidade de crescimento em família. Temos o direito de idealizar, sonhar e criar expectativas, o que também é saudável. O que não é saudável é agarrarmos nestas expectativas,  brigando com a vida querendo que tudo seja à nossa maneira. Nem sempre as coisas saem de acordo com o projetado (aliás, na maior parte das vezes), a vida é feita de inesperados. Nosso grande desafio, enquanto seres humanos, talvez seja flexibilizar, buscando compreender os propósitos da vida com resiliência e sabedoria. O ser humano tende a ser muito vaidoso. Gosta de ter a sensação de que tem controle das situações. No entanto, a vida é mestre em anunciar que podemos até planejar, mas  jamais controlar.

Se não flexibilizo, se não me acolho como ser humano no exercício da maternidade/ paternidade, dificilmente conseguirei adotar aquele que tomei por filho. Estamos vivendo em um tempo de crianças órfãs de pais vivos. Legalmente essas crianças têm pais, mas emocionalmente não estão sendo adotadas, acolhidas e cuidadas por eles.

Acompanho famílias em meu consultório e venho refletindo e perguntando sempre: a família que busca ajuda conseguiu adotar seus membros? É uma família que acolhe falhas, limitações e dificuldades? É uma família que aceita as particularidades de cada membro? Qual o lugar do filho na vida familiar? Queriam ter filhos com qual finalidade?

Adotar significa cuidar, investir afetivamente na vida de alguém. É cuidar da relação, é dar continente, amando, dando suporte em todos os níveis, tomando para si a responsabilidade de formar alguém na vida, digno, real, com caráter e inteiro.

Crianças que não foram adotadas por seus pais, com certeza irão sofrer sequelas desse abandono. Serão pessoas inseguras, com baixa autoestima, carentes, infantis, adultos despreparados para a vida, desorganizados emocionalmente.

Quando uma pessoa se sente adotada, sente-se pertencendo, incluída na família e mais confortável para viver no mundo que a cerca. Terá condições emocionais muito mais favoráveis para viver e terá menos chances de adoecimento físico e psíquico.

Cabe a nós como pais uma reflexão: que tipo de pais estamos sendo para nossos filhos? Eu os vejo? Eu os reconheço? Eu os adoto?

Para reflexão cito uma frase de Olavo Bilac
"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével."



                                                          Fernanda Seabra – CRP 04317 – Psicóloga do Espaço Família e Humanização e coordenadora do Nass(Núcleo de atendimento social sistêmico).


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Nos dias 14 e 15 de agosto tive o privilégio de participar de um evento organizado pela equipe "Interação Sistêmica"cujo tema foi:

"Jung, Psicogeneaologia e Constelações Familiares", ministrado pela Dott.ssa Maura Saita Ravizza.

Foram dois dias de muito aprendizado e que possibilitou desdobramentos de histórias familiares, de processos internos e conhecimento de temas tão ricos. 

Pude comprovar mais uma vez o quanto nossos antepassados são importantes em nossas vidas, o quanto carregamos deles em nós, como funcionam os padrões de relação e segredos em nossa família. São histórias que nos atravessam, que permeiam e norteiam a nossa vida, que precisam ser faladas, compreendidas, reconhecidas e  elaboradas por nós.

 Dott. ssa Maura, com seu carisma e profundo conhecimento, nos presenteou com sua teoria  encantadora e práticas profundas. Estudiosa da Psicogenealogia, trouxe para nós um novo olhar em psicoterapia e um novo olhar em direção às nossas histórias.

O evento contou ainda com a presença da cônsul italiana Aurora Russim que pode dividir conosco um pouco de sua prática. 

Aproveito a oportunidade para agradecer a minha grande mestre Jaqueline Cássia Oliveira pela oportunidade, pela organização do evento ( tudo feito com muito cuidado e profissionalismo) e por colaborar sempre com meu crescimento pessoal e profissional.



Tempo bom de reflexões e descobertas!